Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

a alma da flor

a alma da flor

Fase da anedota - I (Perguntas com respostas simples)

02.11.09 | DyDa/Flordeliz

 

 

Recebi hoje com a seguinte mensagem : Afinal o sistema de ensino ainda cria jovens inteligentes...

São respostas tão simples que me fizeram soltar umas gargalhadas e por isso partilho.
Professor: O que devo fazer para repartir 11 batatas por 7  pessoas? 
Aluno: Puré de batata, senhor professor 

Professor ao ensinar os verbos: 
- Se és tu a cantar, dizes: "eu  canto". Ora bem, se é o teu irmão que 
canta, como é que dizes? 
-  Cala a boca, Alberto. 
- "Stora",alguém pode ser castigado  por uma coisa que não fez? 
- Não. 
- Fixe. É que eu não fiz os  trabalhos de casa. 

Manuel , diga o presente do indicativo do verbo caminhar. 
- Eu  caminho... tu caminhas... ele caminha... 
- Mais depressa! 
- Nós  corremos, vós correis, eles correm!

Professor: Chovia  que tempo é? 
Aluno: É tempo muito mau, senhor  professor.

Professor: De onde vem a  electricidade? 
Aluno: Do Jardim Zoológico! 
ProfessorDo  Jardim Zoológico? 
Aluno: Pois! O meu pai, quando falta a luz em casa, diz sempre: "Aqueles  macacos..."

Professor: Quantos corações temos  nós? 
Aluno: Dois, senhor  professor. 
Professor:  Dois!?...
Aluno: Sim, o meu e o  seu!

Dois alunos chegam tarde à escola e  justificam-se: 
1º Aluno: Acordei tarde, senhor professor! Sonhei  que fui ao Dubai  e demorou 
muito a viagem. 
2º Aluno: E eu fui esperá-lo ao aeroporto!

Professor: Pode dizer-me o  nome de cinco coisas que contenham leite? 
Aluno Sim, senhor  professor: Um queijo e quatro vacas.

Um aluno de  Direito a fazer um exame oral - O que é uma fraude? 
Responde o aluno - É o que o Sr. Professor está a fazer. 
O professor muito  indignado: Ora essa, explique-se... 
Diz o aluno: Segundo o  Código Penal comete fraude, todo aquele, que se aproveita da ignorância  do outro para o  prejudicar!

Professora: Maria, aponta no mapa onde fica a América do Norte. 
Maria: Aqui  está. 
Professora: Correcto. Agora turma, quem descobriu a  América? 
Turma: A  Maria. 

Professora: João, menciona uma coisa importante que exista hoje e que 
não havia à 10 anos atrás. 
João: Eu! 

Professora: Francisco, porque é que andas sempre tão sujo? 
Francisco: Bem, estou muito mais  perto do chão do que a Sr.ª  Professora. 
Professora: Agora, Simão, diz-me sinceramente, rezas antes de cada  refeição? 
Simão: Não professora, não preciso. A minha mãe é uma boa  cozinheira. 

Professora: Artur, a tua composição "O Meu Cão" é exactamente igual à 
do teu irmão. Copiaste-a? 
Simão: Não. O cão é que é o  mesmo. 

Professora: Bruno, que  nome se dá a uma pessoa que continua a falar, 
mesmo quando os outros  não estão interessados? 
Bruno: Professora

Insólitos da vida.

02.11.09 | DyDa/Flordeliz

Pum!… Ouviu-se um som de chapas a bater na rua, activando os inconscientes sinos de alerta.

Após alguns segundos de resistência, a curiosidade foi mais forte e dirigi-me à sacada da varanda do quarto e olhei para a rua tentando vislumbrar o que se tinha passado.

 

 

Era já final da tarde e a noite tinha caído. No entanto, o local estava bem iluminado, permitindo a visão de toda a área envolvente.

Um cavalheiro que entretanto me avistou e, como me visse perscrutador, dirigiu-se-me solicitamente até procurando um hipotético lesado.

 

- Foi aquela carrinha que deslizou sem condutor. Estava destravada, foi por aí abaixo e bateu lá ao fundo, não sei se somente naquele banco de pedra, se também no carro que lá está estacionado.

  

Ainda a ordenar a informação que estava a receber, chamei a minha companheira para lhe relatar o sucedido, dado que ela não se teria apercebido do estrondo que me fez sair à varanda.

O nosso quarto era no 2º andar do edifício onde nos encontrávamos. Já os dois na varanda, continuamos a escutar com atenção a descrição do senhor no exterior que tinha assistido e nos dava conta do incidente.

Foi então que de uma forma repentina e insólita, como se tivesse recuperado a consciência, ele exclamou.

- UI!! A carrinha é minha!... Ó que caralho!... A carrinha é minha!...

Desenfreado, desatou a correr rua abaixo em direcção ao local onde estava a viatura…

Olhei para a minha mulher. Ela olhou para mim. Debruçamo-nos na grade a espreitar o homem e ela não se conteve. Começou a rir desalmadamente, não sendo possível parar o riso de ânimo leve.

Rapidamente descemos à rua no sentido de dialogar com o senhor para tentar entender.

Após breve vistoria ao estado da carrinha, ao local onde ela havia embatido e ter confirmado que a mesma não tinha chegado a bater na viatura lá estacionada (porque o banco a tinha detido), meteu-se dentro do carro, ligou a ignição e aproximou-se de novo de nós.

Soou mais um ranger de chapa a ser amolgada ao libertar-se da pressão a que estava a ser sujeita. Entretanto o fecho de uma porta foi arrancado da sua posição normal ficando a bambolear.

E lá veio ele até nós, analisar os estragos (agora ainda maiores, pela precipitação com que procurou retirar a viatura da incómoda posição em que se encontrava enfaixada), descrevendo o episódio cujo início nos tinha escapado.

- Parei aqui no multibanco para levantar dinheiro, e não encontrava no bolso das calças o cartão (dizia enquanto continuava a meter as mãos nos bolsos exemplificando). Vi, realmente, um carro a deslizar suavemente rua abaixo, mas nunca pensei ser o meu!...

Apesar do esforço que fazia para deixar de rir, a minha mulher não conseguia parar, dado o insólito da situação.

- Só depois - continuou o cavalheiro - de me lembrar que tinha mudado de calças e vir para a minha carrinha é que me apercebi que ela não estava no sítio. Era a minha!

Convirá reafirmar que, apesar de ser de noite, o local era iluminado e era perfeitamente visível o corpo e a cor do veículo. Só se a nossa mente não “estiver cá”. E a dele andava a tentar descortinar onde tinha deixado o cartão, impedindo-o de ver o seu próprio veículo a deslizar rua abaixo, sem lhe deitar a mão.

 

Maldito cartão! Não só não lhe deu dinheiro como ainda o meteu em despesas!...