Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

a alma da flor

a alma da flor

Rosa vermelha

08.05.09 | DyDa/Flordeliz

Sábado o dia estava quente e resolvemos fazer o percurso turístico de autocarro visitando a cidade do Porto.

Escolhemos a linha amarela entrando na paragem da Estação de S. Bento, até à zona do Infante bem junto ao rio Douro. Percorremos toda a marginal em direcção à Foz, seguindo depois até Matosinhos e Leça. No regresso, ao passar pelo Castelo do Queijo subimos a Avenida da Boavista, fomos pela Praça da República e o Bolhão até que chegamos à Avenida dos Aliados.
Além das explicações disponibilizadas pela gravação sobre os locais com mais história e interesse turístico, fomos acompanhados pela música “Rosa Vermelha”, que me pareceu na voz de Anabela.
De início achei uma música agradável e bem escolhida (afinal quem usa mais estes percursos são os turistas estrangeiros) ao estilo português mas, para quem a escuta durante duas horas seguidas passa a ser "dose" maçadora, bem mas isto sou eu a dizer - haja paciência e gosto!...
Quanto ao percurso apesar de conhecer todos os locais, o facto de ter um “guia nas orelhas”, a vista panorâmica ser alta e não ter de prestar atenção ao trânsito – vale a pena!
Já agora, porque ainda me lembro da última vez que estive em Lisboa em 2007 e também fiz um percurso idêntico, a música era exactamente "Rosa Vermelha".
Será que... Não há outra?... Ou tive azar e “tocou-me” a mesma?!
 
Deixo a minha sugestão - Rui Veloso - "Porto sentido"  pensando que não, até calhava muito bem!
 
Trago uma rosa vermelha
Aberta dentro do peito
Já não sei se é comigo
Se é contigo que eu me deito.
A minha rosa vermelha
Mais parece uma romã
Pois quando aberta de noite
Não se fecha de manhã
Trago uma rosa vermelha
Na minha boca encarnada
Quem me dera ser abelha
Na tua boca fechada
Trago uma rosa vermelha
Não preciso de mais nada.
Pus uma rosa vermelha
Na fogueira do teu rosto
Mereço ser condenada
Por crime de fogo posto.
Trago uma rosa vermelha
Que é minha condenação
Condenada a vida inteira
À fogueira da paixão
Trago uma rosa vermelha
Atrevida e perfumada
É uma rosa vaidosa
A minha rosa encarnada
Trago uma rosa vermelha
Não preciso de mais nada.
Um original de: Amália Rodrigues

3 comentários

Comentar post