Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

a alma da flor

a alma da flor

Dezembro já passou.

04.01.20 | DyDa/Flordeliz | ver comentários (2)
Verdade que não ando bem. Verdade que não me sinto bem. Verdade que não estou bem. E a pior verdade é que não sei o que se passa. Ainda que ande em busca de rumo para encontrar alguma estabilidade física e emocional. Para além destas verdades. Todos os anos me (...)

Vai passando, tudo passa, até o desassossego.

25.08.15 | DyDa/Flordeliz | ver comentários (5)
  Eramos três, qual concerto de cordas afinado. Um tocava para aqui e os outros, tocavam sempre para o mesmo lado. Se por acaso uma nota fugia ou corda se partia, nem assim, se notava que o caldo podia ficar entornado.   Eramos…   Este tempo verbal que custa a (...)

Descodificar...

09.05.14 | DyDa/Flordeliz | ver comentários (2)
Nós, do lado de cá, usamos o “888” para legendar e perceber melhor alguns programas.       Sempre que aparece no canto superior direito do ecrã da TV, no decorrer de um programa, um de nós logo se encarrega de fazer aparecer as letras milagrosas que ajudam a (...)

O tempo e o governo...

01.04.14 | DyDa/Flordeliz | ver comentários (2)
... não dão tréguas.   O tempo chora e inunda o céu e terra. O governo é trapaceiro e está a inundar-nos com impostos.   Os dois são como a potassa - chatos! Sendo que, o governo é ainda mais corrosivo que ela (a potassa). Deixam mossa. Fazem-nos perder a (...)

Entre o maduro e o estragado

20.03.14 | DyDa/Flordeliz | ver comentários (4)
Os dias estão solarengos. Há vida, renovação e nota-se nos rostos de quem nos cruzamos as cores da boa disposição. No entanto, esta nem sempre tem de andar ligada a um badalo sineiro ininterrupto como se de um spot publicitário se tratasse.     Hoje passei por uma (...)

Perco-me...

30.12.13 | DyDa/Flordeliz | ver comentários (8)
Num emaranhado  Trespassam as sensações Mil pensamentos Mil projectos Ou meras, divagações e… Perco-me   Sondo o relógio Foge o instante Passa o momento Esfuma-se o dia Cobre-me a noite Percorro traços Recolho esboços Adio tarefas Em meus borrões (...)