a alma da flor
29
Jun 11

Sim, assombram-me

Pedras que escolhi

Muitas que colhi

E outras que guardei…

 

Sim, assombram-me

As que me pareciam frágeis...

As que se faziam delicadas…

Porque a todas, abriguei!

 

Sim, renuncio

À ganância, à arrogância

De se sentirem valiosas

Ou quiçá, preciosas?!...

 

Sim, renuncio

Pois das pedras que acolhi

Poucas são, as que reconheci

Como sendo essenciais.

 

E porque me estão a assombrar

Acabei de as renunciar

Querendo vê-las deslizar

Da palma da minha mão.

  

Se não se deixam polir

Se não as posso amaciar                                             

Se servem só para amolar...

Fiquem pedras eternamente.

 

No empedrado da rua

Pisadas e repisadas

Amassadas com alcatrão

Se for essa a sua condição.

 

Terminando assim de uma vez

Com a minha assombração

Porque eu – renuncio!

 

ByDiDaFlower

publicado por DyDa/Flordeliz às 01:48
08
Jun 11

Muitas vezes se ouve:

Fulano tem um “mal” ...

 – É hereditário!

Se fulano tiver má índole, será hereditário? (pergunto-me eu.)

 

Um casal teve três filhos e criou-os na mesma casa. Sentava-os a todos ao redor da mesma mesa. Alimentava-os a todos da mesma panela. Os ensinamentos e os valores foram transmitidos conforme o que lhes pareceu o mais acertado, e dependendo da formação que receberam eles também.

 

Depois de criados e, já adultos, cada um seguiu com a sua vida. Com maior ou menor sucesso. Com mais ou menos sorte. Mais ou menos empenho.

E todos conseguiram levar uma vida, “dita”, normal.

Cada um destes filhos teve um filho também. E assim o casal inicial passa a ter três filhos e três netos.

A vida vai seguindo. Os anos vão passando. A idade vai avançando. Os netos tornam-se adultos.

 

É aqui que a história e a hereditariedade vão para o galheiro.

 

Dois dos netos vivem normalmente o dia-a-dia. O outro vive como se só o dia de hoje contasse. Como se não houvesse obrigação de ser íntegro. Como se todos devessem ganhar para manter vícios e ânsias de riqueza que não existe hoje, nem nunca existiu. Onde cada palavra é usada para enganar, manipular e ganhar vantagem. Usando de estratagemas, filmes, novelas, lágrimas e mesmo doenças.

 

Uma vantagem ilusória que se queima como a cabeça de um fósforo.

 

Uma pessoa que vive de falcatruas deveria ser alguém de sucesso. Fazer render o que rouba, o que desvia, o que obtém de forma pouco transparente.  Fazer engordar o seu pecúlio e não ter de mendigar e voltar a bater nas mesmas portas com as mesmas histórias,  apenas introduzindo novos protagonistas.

 

A mim pesa-me a consciência quando sou infeliz numa palavra mal dita. Quando sou ingrata. Quando magoo sem intenção…

 

Teria este neto nascido sem a dita “consciência”?!...

Serão mesmo o RAIO das doenças hereditárias? Não poderia ter nascido este infeliz com a doença do BOM-SENSO, da LEALDADE, do VERGAR O GARFO e TRABALHAR?

 

Talvez fiquem confusos. É que eu sinto-me TARALHOCA. Portanto: Desculpem qualquer coisinha, sim?{#emotions_dlg.confused}

 

publicado por DyDa/Flordeliz às 01:08
01
Jun 11

Aqui pelo burgo a Feira é à Segunda.

O estacionamento dentro da cidade, além de caro, é escasso. O local que comporta mais viaturas é precisamente o espaço destinado à feira que, neste dia, é usado pelos feirantes para montar a banca e as tendas.

Ora, até aqui tudo normal. Não fossem as obras (que parecem as de S. Torcato) para atrapalhar a vida dos habitantes e de quem por aqui circula - seja de carro ou a pé.

Ontem o dia esteve abafado, quente. Querendo aproveitar a hora de almoço para facilitar a organização do nosso serviço, programamos tratar dos assuntos da Repartição de Finanças, uma vez que esta não fecha nessa hora.

Assim, enquanto um entra e aguarda vez, o outro estaciona ou vai circulando. Fiquei eu incumbida de ficar ao volante uma vez que estava de saltos altos. Passados alguns minutos recebi actualização do ponto de situação (é nestas ocasiões que gosto do telemóvel): o serviço poderia ser demorado, uma vez que o “ tal” sistema da DGCI se recusava a cooperar.

Ora, como dentro do carro o calor já apertava e porque a indefinição stressa, meti sapatos ao caminho e fui fazer companhia a quem já lá aguardava.

O número de ordem no quadro de informação emperrou, os minutos foram-se arrastando, a hora de almoço foi passando e a “coisa” deixou de rolar, até quase nos fazer desistir. No entanto, como o tem de ser tem muita força, aguentamos até que por fim “aquilo de vez em quando ia dando um ar de graça”  lá deixou rolar e o assunto ficou arrumado. Não deixamos de comentar e constatar como é importante que os pagamentos e/ou declarações não sejam entregues no último dia. Nós procuramos fazê-los pelo menos com um dia de antecedência, embora a tarefa seja complicada quando lidamos com dinheiro que não é nosso.

Conseguir estacionamento (mesmo àquela hora) para almoçar não foi tarefa mais simples. Ficamos longe do restaurante e ainda mais longe do centro da cidade.

Depois de almoço, porque é impossível percorrer algumas ruas que estão cortadas, enchemo-nos de coragem e fizemos o percurso a pé. O calor é duro, os pés incham e o humor começa a dar de si. E quando já tínhamos percorrido grande parte do caminho onde queríamos chegar, ainda nos deparamos com uma rede que nos impedia de atravessar para o outro lado.

Dos 20 metros iniciais, passamos a percorrer 500. Pensando, é claro, já no caminho inverso que são mais 500, sempre recordando que o carro estava bem longe dali também.

Os pés gemem, a roupa cola-se ao corpo. E quando por fim conseguimos superar todas as tarefas e nos deixamos desfalecer de novo sobre o banco do carro, ficamos com dúvidas se afinal é assim tão grande o alívio ao sermos brindados com a temperatura e a baforada quente.

Mas: O pior estava ainda por acontecer!…

Depois do nosso, outras viaturas estacionaram também naquele mesmo local, umas ao lado, outras onde conseguiram um espaço, pouco importando se quem ali estava antes iria ou não conseguir sair.

Tive de fazer uma série de manobras para colocar o carro em posição (imaginei-me a marcar consulta no Póvoas ou mesmo deixá-lo na porta do programa da SIC para o fazer mingar), para não tocar no carro da direita, nem no da esquerda, que afunilavam a saída.

Com calma e orientação, do tipo: “vira à esquerda, à direita, em frente”, consegui sair sem beliscar o meu e os outros – mas foi complicado. Custou! Mais do que isso, irritou a falta de civismo de quem assim estacionou, borrifando-se para os outros. 

Depois desta tarefa ingrata, qual o espanto ao ver uma “dona” em fato e touca de banho, descalça a correr pelo caminho aproximando-se da minha janela e abordando-me:

- Fiquei com dúvidas se não bateu no meu carro, venha comigo para vermos!

Pensei que me ia dar um ataque de caspa e retorqui quase em estado de choque, tamanha foi a minha irritação.

- O quê? Mas que lata. Deixa o carro mal estacionado e ainda quer que espere que vá ver o seu carro? Devia estar preocupada por deixar o carro mal estacionado, em vez de se preocupar apenas com o seu carro. Nem pense que vou consigo, até porque tenho a certeza que não bati.

- Se não esperar… eu até já apontei a sua matrícula.

O meu companheiro, mais calmo acompanhou o cachalote para que não se aproveitasse com algum risco que a viatura dela já tivesse, mas eu estava tão nervosa, que por mim, ela fazia o percurso sozinha.

Fez asneira no estacionamento. Viu da piscina o meu sufoco a retirar o carro. E depois lembrou-se de me vir dar cabo da pouca paciência que restou?

Se estivesse preocupada em remediar o disparate de prender os outros carros no estacionamento. Agora vir perguntar se lhe arranhei o carro?

Óbvio que o carro não sofreu nada. Até porque se tivesse parava e assumia.

 

Apetecia-me dizer-lhe:

Acredite Dona “Cachalota”, a minha vontade foi arranhar a sua tromba, pois a sua viatura não tem culpa da besta que lá entra. E nem todos são nabos, como você, ao volante.

 

 

publicado por DyDa/Flordeliz às 11:50
01
Jun 11

Digam-me que o defeito não é meu.{#emotions_dlg.confused}

 

Que não perdi o sentido de humor.

Que aquilo é ruim demais.

Que a figura da "gorda" é degradante não só para uma pessoa gorda, mas para qualquer ser humano.

Que ninguém se sente retratado com aquilo que mostra o programa.

Que usar e abusar de vernáculo deixa de ter graça.

Que até os figurantes demonstram tédio.

Que...

 

Ok! Só vê quem quer.

Mas CARAPAU, tinha de ver para poder dizer que "AQUILO" me deixa nervosa especialmente quando vejo alguém "SUPER" comer e lavar-se no chuveiro, ou engolir um bicho com pêlo no confessionário.

 

Não gosto. Não gosto. Não gosto.

 

 

Junho 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
30
subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Histats.com © 2005-2010 Privacy Policy - Terms Of Use - Powered By Histats
últ. comentários
Sim, muito sinceramente, agora as coisas estão bem...
Não lamentes.Não se perdeu grande coisa.Agora muit...
Lamento que tenhas este blogue abandonado...
É muito mais frequente do que parece este tipo de ...
Olá, bem-vinda.Óbvio que temos de ser cuidadosos. ...
Pois, os acidentes acontecem.BFDS
Nunca ninguém pode dizer que não lhe acontece.Todo...
Totalmente de acordo. Não sou mãe, mas entendo que...
Flor, não quis ser intrometida, mas sabendo que es...
Calma Miilay, não se preocupe eu estou bem. Juro.O...
Amiga, será que se desagregou mesmo???Desejo que a...
Momentos...Agarremos os que são bons, os outros......
Na vida nada é eterno ...Até uma boa música ou um ...
Paciente? Eu de facto vou algumas vezes ao médico....
Amigo, és um paciente.Haja pachorra para aturar as...